Show simple item record

dc.contributor.authorTirapeli, Percival
dc.date.accessioned2020-09-21T18:51:07Z
dc.date.available2020-09-21T18:51:07Z
dc.date.issued2020
dc.identifier.isbn978-84-09-23433-2
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10433/8777
dc.description.abstractA cidade de Córdoba na Argentina é das mais antigas vilas fundadas no antigo Vice-Reinado do Peru a caminho para as terras do Paraguai. Em 1563 a pequena vila desenhada em forma de tabuleiro estava posicionada entre os importantes caminhos que ligavam as cidades de Cusco e La Paz até Assunção com outros caminhos como aquele que levava para a rica vila de Potosi. Naquela encruzilhada de interesses das conquistas e em busca de terras planas para o cultivo de mantimentos, Córdoba já em 1622 era elevada à condição de Alfândega Seca a administrar a saída e entrada de mercadorias em toda esta região que na segunda metade do século XVIII seria o Vice-Reinado do Rio da Prata tendo como capital a portuária Buenos Aires. Os padres da Companhia de Jesus chegaram em Córdoba em 1599 e logo se acomodaram em uma manzana com pequeno colégio, igreja, residência dos padres e seminário de noviços. O conjunto cordobês é soberbo e grandioso constituído de Universidade, Capela dos Noviços, igreja e casas para acomodar estudantes. Para manter o empreendimento, os Jesuítas contaram com doações, porém, para seguir oferendo os estudos gratuitos aos jovens, foi necessária a compra de estâncias usadas para a criação de gado emulas, e para cultivo. Assim, foram desenvolvidas as estâncias nas redondezas de Córdoba, a caminho de Tucumán e acima dos Andes até a próspera Potosi onde a grande mina de prata no Cerro Rico necessitava de mantimentos para manter as atividades. As estâncias foram desenvolvendo-se cada qual com suas especificidades Caroya (1610), Santa Catalina (1622), Alta Gracia (1642), Jesus Maria (1618), Candelária (1678) e San Ignácio entre tantas outras desaparecidas ou desativadas depois da expulsão dos padres em 1768. Tanto no grande conjunto urbano como nas estâncias rurais a arquitetura se destaca, assim como o mobiliário com ricos altares, acervos de pinturas e esculturas.es_ES
dc.description.sponsorshipÁrea de Historia del Arte, UPOes_ES
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.language.isopt
dc.publisherEnredarses_ES
dc.rightsAttribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 Internacional*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/*
dc.subjectJesuitases_ES
dc.subjectArtees_ES
dc.subjectArquitecturaes_ES
dc.subjectCórdobaes_ES
dc.subjectEstanciases_ES
dc.titleJesuítas em Córdoba e as Estânciases_ES
dc.title.alternativeThe Jesuits in Córdoba and the Estanciases_ES
dc.typeinfo:eu-repo/semantics/bookPartes_ES
dc.rights.accessRightsopenAccesses_ES


Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 Internacional
Except where otherwise noted, this item's license is described as Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 Internacional